O que significa tchô e tchozinho?

Olá tchozinhos(as),

Fazem alguns anos que o termo tchozinho e tchozinha foi criado e no artigo de hoje vou descrever sua origem e significados da maneira mais didática possível.

Definições

Tchô(a) – Adjetivo ou Substantivo da língua portuguesa moderna usada como vocábulo na região central de Santa Catarina com exceção de Curitibanos, lá eles falam “o Teu”. São muito estranhos!

Origem

A origem do vocábulo está alicerçada nos pilares da cultura tchozina, cultura essa que é específica da região do contestado e que tem o sotaque vinculado ao interior do Paraná na área do dialeto oficial “Dialeto Sulista” (Mais informações sobre este dialeto neste link oficial) .

O Dialeto sulista e tchozino se difere do sotaque gaúcho de diversas formas e é tradicionalmente confundido por pessoas de outras regiões do país e até pelo litoral de Santa Catarina.

Uma das diferenças mais marcantes é a pronúncia da letra R de forma mais turbinada e aspirada no centro da garganta e sem a vibração final da língua contra os dentes. Algo similar ao “R” do Interiorrr de São Paulo. Mais informações neste artigo “Mapa dialetal de Santa Catarina

A palavra tchô, de Tchô Quenorris! é uma derivação da palavra espanhola “Che” de “Che Guevara”. Outras derivações ou palavras irmãs são: o “Tché” do dialeto gaúcho e “tchó” com o “O” aberto do dialeto do extremo oeste de Santa Catarina conhecido como “le gringonês Italianus”.

Exemplos didáticos

O termo tchô, apresenta uma desenvoltura semântica mais livre que o permite ser usado tanto como adjetivo, indicando um tipo de pessoa desconhecida ou como um substantivo. Mas atenção, não é oficialmente permitido usar o plural, soa estranho e e estrangeiro fazer isso.

Vamos estudar alguns exemplos

Diferentemente do Tché que é apenas adjetivo e não permite a substantivação como no exemplo:

“Filho venha aqui, tem dois tchês que querem falar contigo”

Tchô permite ser utilizada como adjetivo e substantivo.

Tchô como adjetivo:

Ex. 1:

“Era um cara bem tchô mesmo, alí de Caçador, vivia de moto pra lá e pra cá sem capacete ali em Rio Das Antas e as vezes se bandiava até Videira, era meio loco mas gente boa até, as vezes jogava bola lá na arte ca piazada tudo”

Ex. 2:

“Esse é de São Paulo, aquele lá é do Rio de Janeiro, aqueles quatro lá no final são tudo tchô, um de Fraiburgo de Videira e um de Joaçaba. O outro lá de costa e blusa vermeia só trovando não sei direito da onde que é, mas é tchô tamém.”

Tchô como substantivo:

O substantivo tchô se refere normalmente a tipos de pessoas da qual sua identidade não é conhecida ou não importa muito saber, é uma forma genérica de associar uma ação à alguém que vem do desconhecido já que “Cara”, “Rapaz”, “Homem”, “Senhor”, não alcançam, de sobremaneira, a profundeza do significado que o termo carrega. O coletivo de tchôs é “tchozedo”. Outro motivo importante para a escolha da palavra tchô no dia a dia é a facilidade cognitiva para montar as frases, pois é, sem dúvida, mais fácil e prazeroso pronunciar Tchô do que investigar o indivíduo e tal.

Ex.1:

“Filho venha aqui ligero, tem dois tchô que querem falá contigo, apure ligero!”

 

Ex. 2:

“Só um tchô não da conta de empurrá o fuque pra chegá no posto, é muito empenho! Tem que forcejá muito!”

Ex. 3:

“O tchô! mas pare!  Largue mão dessa tchoa, vai lá e pegue o carro de volta e não dexe ela te batê mais de novo. Zulivre!”

Ex. 4:

“Mas quem é o tchÔ que ganhô na megasena de novo só com os número dos calibre de árma? Mas é um largo”  Obs. Largo é sortudo no dialeto.

Tchozinho(a)

A palavra Tchozinho tanto no masculino como no feminino e sem a existência de plural do pode ser livremente usada em expressões como:

“Os tchozinho do Frai se pincharam na kombi do véio e se bandiáram tudo”

A expressão foi criada aqui no blog no início de 2011 como uma criação associada ao carinhoso “manezinho da ilha” que se refere aos nativos da cultura açoriana no litoral de Santa Catarina. Não havia um paralelo na cultura tchozina. Com o tempo o termo se consolidou nas conversas da família Quenorris. Conversa entre Tchô e Tchozinho Quenorris sobre termos linguísticos

Tchô no Futebol

O tchô é um jogador de futebol, no vídeo a seguir está uma sequência dos gols mais bonitos do tchô. Só prometam que não vão rir néh tchozedo?

Tchô nos Estados Unidos

Na região norte da América há um tipo de chocolate bastante famoso chamado Tchô no vídeo a seguir está uma explicação em inglês da produção de Tchôs.

Bom tchozinhos e tchozinhas, está tudo explicado. Qualquer dúvida escrevam e não deixem de compartilhar essa riqueza local com os amigos. Ah, no natal não esqueça de compra uma caixa de tchô pros amigos(as).

Saudações tchozinas!

A difícil arte de promover Fraiburgo

Oi pessoal,

Esses dias estava fazendo alguns pesquisas (sempre estou pesquisando sobre o Frai nas horas vagas). Aí, comecei  a notar, a quantidade desproporcional de notícias ruins, assaltos, acidentes e outras coisas más sendo compartilhadas aos montes. Podem ver.

Infelizmente são coisas muito tristes e que não deveriam estar acontecendo no famoso Frai, uma cidade pacata do sul do Brasil. O que é brabo é que além de certas coisas estarem acontecendo, a notícia disso tende a viralizar de tal forma que as vezes até parece que existe um orgulho embutido (uma mágoa talvez) de ser notícia nacional por algo ruim, isso não está certo! Nem do ponto de vista dos fatos, nem da forma como todos lidam com a informação.

O posicionamento

  • Fraiburgo tem muita história relevante a nível nacional e até mundial para contar, mas é preciso que os tchozinhos(as) contem, anotem, registrem, ouçam, entrevistem, sejam curiosos, busquem informações e gerem artefatos de patrimônio intangível deste único espaço no mundo.
  • Temos que ser notícia pelo trabalho top que fazemos, pelo patrimônio que criamos, pelos valores que cultivamos e na pela forma que nos expressamos. Talvez vocês nem saibam, mas Fraiburgo está se destacando na área de tratamento de olhos e em outras coisas legais, pois é, isso não é compartilhado, porque seria se é muito melhor compartilhar um tiroteio, uma briga de rua, um assalto ou um acidente?

A visão de futuro e a decisão

O que plantamos hoje é o que vamos colher amanhã! Não estou falando de maçãs, estou falando do que expressamos e das informações que serão disseminadas.

Fica a reflexão de decidir entre compartilhar notícias ruins ou criar conteúdo de valor sobre a cidade e a cultura da região, sobre seu próprio negócio que gera emprego e renda e etc. Pensar duas vezes ou até umas 10 vez sobre o que ganhamos denegrindo aos 4 ventos as coisas que devemos cobrar dos nossos gestores e até da irresponsabilidade dos motoristas é uma decisão inteiramente pessoal e existem várias formas de resolver o problema antes de sair clicando.

Posicionamento pessoal

Aproveitando as palavras ditas, reparem que as pessoas de sucesso e que geralmente são lembradas, também estão sempre se relacionando com temas positivos, coisas novas, agradáveis e de valor (baita coincidência neh). Pessoas problemáticas tendem estatisticamente a agirem repetidamente e de forma negativa. Quando dizem que nada é por a caso, podem ter certeza que não é mesmo e nem deveria ser.

Buscar pontos positivos e tentar ajudar gasta muito mais energia, dá muito mais trabalho e etc,  por isso é uma arte….

Então é isso! Saudações Tchozinas!

Abaixo uma foto do Fernando Varella do nosso lago da Araucárias.

Desenhos do passado

O senhor Otto Hoppen, tinha a coragem de tirar fotos aéreas na região na década de 70, após a revelação, coloria manualmente as fotos. Este é o antigo escritório da Renar na frente do Fraiburguense. Além disso fica a percepção da vasta influência alemã na cultura e na arquitetura da cidade. Imagem para a história da cidade.

Atualmente esta obra pode ser encontrada na casa da cultura.

O ginásio do sedes

Para quem não é de Fraiburgo, talvez essa foto não tenha muito sentido, para os Fraiburguenses é um portal de viagem ao passado. Esse salão tem história. Falando bem sério, os engenheiros que construíram isso lá nos anos de 1970 eram engenheiros eram top e linha! Uma vez até tive a oportunidade de ver por cima a estrutura toda de madeira, impressionante. Peço de uma Fraiburgo cheia de riquezas pouco divulgadas e apreciadas.

Lá no Frai é assim!

A imagem pode conter: área interna

Gostou, curta e compartilhe!

Autor revelado

Tchozinhos e tchozinhas,

Boa noite, depois de toda polêmica. Fiquei muito feliz em descobrir finalmente o autor das fotos da geada no Lago das Araucárias. Uma curiosidade pessoal minha de anos. Seu nome é Marcos Alves Scofield. Fiz todo o possível para ter certeza do material e evitar mais bolor. As provas foram bastante convincentes, tanto do aspecto técnico como das argumentações e até o conhecimento que tenho das câmeras Sony.

Se alguém tiver mais alguma dúvida ou qualquer ou coisa relacionada aos fatos, eu largo a toalha, não curti de ser juiz nessa situação toda, não tive intenção nenhuma de denegrir nenhuma imagem, mas sim atrelar o crédito corretamente à pessoa certa e que se manteve em silêncio todos esses anos. Foi com a ajuda da galerinha do seguidora do blog que isso se tornou possível. Importante salientar que é o fato de que são tantas pessoas que tiram fotos no lago que às vezes os resultados podem ser parecidos, enganos acontecem, uma boa gestão das fotos e pelo menos 2 backups são sempre uma boa recomendação.

Aprendi com este episódio semi jurídico que na área de direito “não existe vácuo”. Isso vai ao encontro do que já senti muito quando vim morar para Florianópolis, lugar onde as pessoas pensam mais nos seus direitos do que seus deveres. Sempre senti que no Frai as pessoas comuns tendem a se preocupar mais com suas obrigações do que seus direitos. Talvez esteja errado, mas é o sentimento que prevalece desde de sempre em minha vida.

Sinceramente, acho que as autoridades de Fraiburgo deveriam dar um prêmio por essas obras, sem elas este blog não teria existido, eu não teria feitos vários amigos no exterior e o Frai não teria tido o impacto que teve no mundo cibernético nos últimos anos. Temos que apostar mais em nossas obras que compõe o patrimonial intangível de nossa região.

Bom é isso! Viramos a página e vamos aproveitar as super fotos. Fica sinceros meus parabéns ao Marcos! Obrigado de verdade por ter acordado cedo naquele Frio caiporinha do Frai, ter compartilhado esses momentos que viajaram o mundo e sobre tudo por ter guardado todos os arquivos com zelo. Além das fotos abaixo – seguem estas no Facebook – https://www.facebook.com/marcosalves.scofield/media_set?set=a.313528972445408.1073741832.100013649226077&type=3&comment_id=313530605778578&notif_t=comment_mention&notif_id=1501206616324315

 

 

 

Uma foto em busca de seu autor

Olá pessoal,

Esse é um dos artigos mais tristes que escrevo neste projeto sobre Fraiburgo e sua cultura desde o seu início. Já explico o porquê e peço sua ajuda.

Estes dias fui informado de que a foto abaixo do Lago das Araucárias estava concorrendo a mais um prêmio de fotografia. Até aí muito legal, a foto é belíssima, tudo deu certo, o ângulo, a luz e tudo mais que uma foto de alto padrão necessita. E aí o que aconteceu Tchô? O que me deixou brabo é que pela 3ª vez estão tentando se apropriar da autoria desta foto que até hoje é desconhecida e faz tempo que venho buscando o autor.

Lago das Araucárias, inverno de 2004. Autor desconhecido, possíveis autores, enviar originais na resolução original sem as edições para o blog.

A história da jaguarinha

Primeira aparição

A primeira vez que ví esta foto, foi no inverno de 2004 quando ainda existiam as correntes de email, época ainda que as redes sociais estavam engatinhando. Quando negaciei a sequência de fotos, fiquei tão maravilhado que comecei a guardar tudo que via de bonito em Fraiburgo, principalmente para matar a saudades, muita gente saí do Frai e sabe que o Frai não saí deles. Esse foi o meu caso.

Na época essa e outras fotos foram a única forma de mostrar Fraiburgo para meus conhecidos, principalmente fora do Brasil, que não acreditavam que nosso país era caipora de frio. Até conhecerem esta foto o país era só sol, praia e calor, não que isso seja ruim, mas era incompleto.

A imagem abaixo é um print de um e-mail com as imagens originais de 2008 anexadas (texto ofuscado em azul).

Entrada nas redes sociais

As fotos saíram do e-mail e trafegavam livremente pelo Orkut, mas todas as vezes, sem a informação da autoria para que se pudesse dar os créditos. Na época que estava morando na Holanda, comecei a reunir fotos de Fraiburgo no perfil do Orkut. Concomitantemente comecei também a escrever a wikipedia do Frai em inglês, holandês e alemão. Nossa como o tempo passa.

De volta ao Brasil, comecei a transferir as fotos do Orkut para o Facebook, na minha conta pessoal, criando o álbum abaixo que hoje está privado.

Aprendi a fazer algumas melhorias nas fotos como, contraste, brilho e etc. Bem básico, carculem que nessa época não existam todos os filtros do instagram e etc. Deu uma trabalhera, mas valeu a pena porque queria deixar o Frai tão bonito quanto os outros países deixam (principalmente os ricos) nos fazendo até pensar que só o que é de fora é bonito. Depois dos ajustes publiquei a jaguarinha e essa foi a versão que todos conhecem hoje e que tem sido copiada infinitamente, mas infelizmente, ainda sem o verdadeiro autor da obra. 

Com o crescimento de acessos no Facebook pessoal, resolvi criar de fato este blog que vocês estão lendo, este foi o primeiro post – http://lanofrai.com.br/blog/2011/08/

Se não acreditam, podem fazer um teste, indo Google imagens e na busca reversa, onde é possível subir esta imagem e localizar em toda a rede uma semelhante. Todas elas serão apontadas para a foto mais original e com maior resolução, no caso vem aqui para o blog.

Como resolver o bolor?

Bom pessoal, é relativamente fácil. Avisem seus amigos, sobre estas informações! Denunciem a autoria indevida em publicações aleatórias da internet, isso pode até causar problemas para elas por ser um crime na legislação do Brasilzito.

Se alguém souber da origem destas fotos e têm como provar com os documentos originais na resolução original em que foram tiradas, me avisem. Lembrando que  as fotos terão que ser iguais ou com maior resolução do que as que tenho aqui guardado, do contrário peço que denunciem a utilização indevida da autoria desta imagem.

O que é achado, pode ser roubado sim, isso é uma coisa braba que temos que começar a ensinar nossas crianças de alguma forma.

O dia que descobrir quem foi de fato o tchô ou tchoa por trás da câmera, vou publicar aqui com certeza! É um mistério pra mim também, porque ela é simplesmente fantástica assim como o Frai topinho! Bola pra frente para que não caiam mais butiá dos borso!

Boa noite gente!

Bom descanso pra todos!