Lá no Frai 10 Anos/Years

Queridos Tchozinhos e Tchozinhas,

Dear Tchozinhos and Tchozinhas

Então aqui estamos, chegamos aos primeiros 10 anos do trabalho voluntário social do LánoFrai e quanta coisa aconteceu nesse tempo todo, quantas coisas foram escritas, quantas fotos tiradas e postadas?

So here we are, completing the first 10 years of the LanoFrai volunteering social project. With that said, how many things done so far? How many words have been written, how many pictures have been taken?

Um das coisas mais importantes que descobri morando fora do Brasil, foi sem dúvidas, aprender a amar, respeitar e a identificar coisas que são muito nossas e com isso valorizá-las, seja os nossos orelhões em formato de maçã, a cultura do pinhão, os butieiros na frente das casas, os butiás que jogam dos nossos borsos quando ligamos a televisão ou então nossa construções que se permitem uma liberdade total de estilo e cores (algo totalmente impensável nas europas).

One of the most important things I noticed living abroad (outside Brasil), no doubt, was learn to appreciate (love), respect and spot simple things that makes life in Brazil unique and special. For instance, have a look at this apple style telephone booth in contract to the famous British counterpart.

Negaciando só nesta foto, 4 coisas podem ser notadas e valem sem mencionadas

01 – Diferença no sorriso e faceirice do tchozinho

02 – A cor do céu do Brasil – na versão inglesa não dá para ver, mas é bem provavelmente que era nublado com garoa.

03 – As roupas sempre penduradas nos várias nas casas do Frai, isso é utilizar os recursos naturais com eficiência (nós somos um dos países com maior uso de energias renováveis do mundo).

04 – As cores das casas, no Frai ninguém admite que o vizinho use a mesma cor. Até hoje não entendo isso hehehe

Having a look at the pictures above

01 – Difference in tchozinho’s smile and happiness

02 – The color of the sky in Brazil – in the English version you can’t see it, but it is very likely that it was cloudy with drizzle.

03 – Clothes are always hanging in Frai’s various houses, that is to use natural resources efficiently (we are one of the countries with the highest use of renewable energy in the world).

04 – The colors of the houses, in Frai no one admits that the neighbor uses the same color. I still don’t understand it.


Enfim, muita coisa já foi escrita e muita coisa ainda precisa ser. Vamos seguindo. Obrigado a todos que vem acompanho esse trabalho e ajudando o Frai e o Brasil a aparecer bonito e original no mapa! Não tá morto quem peleia! Que nos próximos anos tenhamos muitos tchozinhos viajando pelo mundo e recebendo turistas com o inglês sendo uma de suas maiores e mais importantes ferramentas.

All in all, a lot has been done and much is still ahead. Let’s keep moving. Thanks to all who is following this digital work that is beautifully placing Fraiburgo and Brazil on the world’s map. Never give up!

Como enfrentar o Frio do Frai?

Tchozinhos e tchozinhas, bão?

Vocês sabiam que uma vez entrevistei uma família de Russos que migraram para Fraiburgo e eles me disseram que apesar de já terem vivido na Sibéria, é no Frai que eles sentiam mais frio? Pois é gente! Como assim, o Frai mais frio que a Sibéria? Já estive em algumas nevascas no norte dos Estados Unidos e no norte da Europa e mesmo com -15 graus, não sentia nem de perto o sofrimento do frio de Santa Catarina e a resposta é simples. Infelizmente ainda hoje nossas casas não são criadas para enfrentar o frio e isso se dá por 3 ou até mais fatores:

  • Custo, é mais caro fazer as casas mais isoladas (janelas, paredes e forros).
  • Falta de especialistas ou conhecimento sobre o problema do isolamento de ambientes.
  • A legislação não obriga esses cuidados com a temperatura do ambiente como o corre em outros países frios.

Mas como não tá morto quem peleia, trouxe aqui 2 vídeos com dicas para ajudar nossa galera com a friage de 2021 Prestem bem a atenção e se cuidem!

Dicas gerais do manual do mundo (sou fã desse canal)

Caixas de Leite como isolantes

Em alguns municípios vários voluntários e até a prefeitura tem utilizado caixas de leite para isolar as casas de madeira, o resultado tem sido positivo (até 8 graus de diferença) no inverno e até no verão, sim as casas bem isoladas se mantém mais frescas nos dias quentes. Segue um dos vídeos desses projetos.

Por hoje é isso!

Valeu piazada, boa semana pra todos ao redor do fogão a lenha!

Inglês Tchô – Curso completo

Tchozinhos(as),

Este artigo traz toda a sequência necessária para que vocês possam seguir o curso a qualquer tempo. Não deixem de se inscrever no canal e dar o seu like se alguma informação agregou seu conhecimento.

Aqui está o link para o download de todas as aulas.

Convite e motivação do curso

Primeiras tarefas antes do curso

Tarefa 01 – Preencher o formulário básico

Link do formulário- https://forms.gle/KqYkK7rAoCFNGPBh8

Tarefa 02

Tarefa 03

Tarefa 04

Sumário do curso

Aula 01 – Conceito básicos – estratégia de aprendizado

Aula 02 – Substantivos e Pronomes

Aula 3 – Aula 03 – O verbo coisiar, to be e padrão do infinitivo

Aula 4 – Verbos regulares e irregulares

Aula 5 – Adjetivos Tchozinos no inglês.

Aula 6 – Contexto (principal conteúdo)

Esta é talvez a aula mais importante do curso, pois é a partir da entendimento da estratégia de uso e aprendizado dos advérbios (palavras que dão contexto) que é possível ficar menos perdidos nas conversas e texto no inglês.

Teve um erro no material e na aula acusa como aula anterior sobre os verbos e não sobre os adjetivos (falha minha).

Aula 07 – Verbos Tcho Quenorris

Aula 8 – Como trabalhar nos EUA

Aula 9 – Palavras das perguntas

Aula 10 – Bolsas de estudo fora do País – Aula Final

Conheça o projeto Inglês Tchô!

Depois de algumas reflexões dos primeiros dias do curso, fiz um pequeno resumo para deixar mais transparente para todos. O projeto inglês tchô está saindo do papel e vai decolar! Este é um artigo para que você conheça o projeto Inglês Tchô!

Motivações

  • Nossos alunos em geral tem um grande problema de foco e de autoestima quando se fala em educação. Chega disso! Precisamos criar uma operação de guerra para concentrar esforços neste sentido e discutir mais o tema. É um problema precisa ser enfrentando com muita determinação pelos estudantes, pais, professores e comunidade em geral.
  • Não temos um apagão de mão de obra em inglês no Brasil, as lâmpadas que temos nem foram iluminadas pela primeira vez. Menos de 1% de população total é capaz de se comunicar em idioma estrangeiro. Portanto, há uma necessidade urgente do ensino de idiomas, principalmente o inglês pra nossa piazada. A falta de comunicação nesta língua impacta na capacidade de absorção de tecnologias e inovações para nosso dia a dia.
  • Faltam embaixadores para contar da nossa cultura brasileira no exterior e também receber estrangeiros em nossas terras. Os estudantes precisam aprender sobre empatia cultural para entender que, assim como nós temos nosso jeitão, as pessoas de outros povos também tem o deles.
  • O google translator não consegue traduzir o palavreado tchô para inglês. Vamos, em comunidade, criar nosso dicionário então.
  • Quando recebi apoio (moradia e alimentação) para estudar inglês em Londres (2006). A família que me acolheu falou que um dia teria que passar pra frente estes conhecimentos. Aqui estamos pra tal.
Aula sobre empreendedorismo ministrado digitalmente em inglês para alunos na Rússia. É um dos motivadores do projeto inglês tchô.
Aula sobre empreendedorismo para alunos da Rússia, aula feita em inglês em 2020.

Os impactos esperados

Ao final do curso é esperado que:

  • Os alunos possam se sentir mais confiantes em seu esforço pessoal de entender os padrões que envolvem o estudo de idiomas, não só inglês.
  • O inglês deixe de ser um mito e se torne um amigo que ajuda a conquistar coisas legais pra vida.
  • Sejam construídas pontes entre nossa região e outras regiões do mundo, gerando oportunidades de negócios, bolsas de estudo e o que mais sonharmos.

Neste vídeo está o convite e mais algumas informações!

Perfil do professor tchô!

Bom, quem não me conhece, abaixo está um resumo da minha carreira.

  • Técnico em Contabilidade pela Feaf – Fraiburgo.
  • Técnico em Informática – Hollobyte Informática – Fraiburgo.
  • Graduado em Sistemas de Informação – Unisul – Palhoça.
  • Professor de ski, ajudante de garçom, limpador de vidros, voluntário na plantação de árvores nativas, consultor de excel e cantor de serenatas brasileiras na cidade de Wintergreen – Estados Unidos.
  • Certificado IELTS/Cambridge de proficiência em inglês – English Studio – Holborn – Londres.
  • Mestre em sistemas de informação – Universidade de Twente Holanda.
  • Voluntário – Service Civil International – Suíça
  • Fundador da Associação de Estudantes Latino Americanos – L.A Voz – Holanda.
  • Ex-Embaixador do ensino superior Holandês no Brasil pela – Nuffic Neso Brazil
  • Co-Fundador da Aquarela Advanced Analytics – Florianópolis.

Mais detalhes neste link do meuCurrículo Vitae https://www.linkedin.com/in/jonihoppen/

Perfil dos alunos

Perfil dos estudantes que já se responderam a primeira tarefa. Para quem não respondeu o formulário aqui está o link é só clicar e responder, se aligere!

Qual a idade dos alunos?

Neste gráfico vemos que tem gente dos 9 aos 50 anos interessadas em aprender! Isso é muito motivador. A gente acredita que não há limites para conhecer coisas novas! Continuem convidando pessoas interessadas.

Distribuição dos alunos por idade. Demonstrando o interesse do curso inglês tchô em uma grande
Distribuição de alunos pela idade.

Estudos de inglês fora da escola

Neste gráfico vemos que um pouco mais da metade dos estudantes não estudaram inglês além das aulas da escola tradicional.

Alunos que estudaram inglês fora da escola tradicional.

Ensino público ou privado?

A maior parte dos alunos são oriundos de escolas públicas. No Brasil temos uma grande variedade de qualidade entre as escolas, mas é bom saber

Estatística dos alunos que vieram do ensino público ou particular.

A propósito, minha educação básica foi pública também, foi no Gonçalves Dias e depois do Sedes Sapientae, tenho bastante orgulho dos professores que tinham muita paciência com a gente (já fica aqui meu agradecimento).

Qual a infraestrutura da piazada?

Esse gráfico quer dizer que quase todo mundo tem um celular para estudar e que nem todos tem um espaço silencioso para estudos.

Infra estrutura dos alunos.

Uma coisa que eu percebi é que no Brasil, o principal cômodo da casa é a sala da televisão (tá sempre baruiando) e se isso não bastasse ela ainda vai até nos quartos, cozinha e outras salas (ela persegue a atenção da piazada, Deuzolivre). São raros ambientes como escritório, apesar de que com a pandemia isso vem mudando.

Alguns comentários dos interessados

Como foram muitos comentários, agrupei algumas repostas para ficar mais interessante e resumido. Os mais engraçados estão em negrito.

Ter mais conhecimento em inglês

  • Espero ter um bom conhecimento em inglês, que possa ser útil quando necessário.
  • Agregar conhecimento e experiência, afinal saber não ocupa espaço 👍🏼.
  • Melhorar meu inglês, já que não está tendo aula presencial, é uma maneira de ter mais conhecimento.
  • Pretendo tirar dúvidas e relembrar o que já aprendi, mas por falta de uso caiu no esquecimento.
  • Espero ter uma noção melhor sobre inglês.

Se tornar destrinchado(a) no inglês

  • Espero aprender a falar o inglês e traduzir tudo o que ver pela frente.
  • A poder entender bem uma conversa em inglês, ouvir musicas e saber oque esta falando, usar o inglês da forma correta sem embromeixom.
  • Aprender a falar inglês, isso será um diferencial no mercado de trabalho. Obrigada por estar dando essa oportunidade.
  • Espero aprender uma língua nova para que no futuro isso possa me ajudar no futuro e na minha carreira.
  • Gostaria de aprender a traduzir e pronunciar diálogos em inglês.
  • Gostaria muito de facilitar a comunicação e alavancar os negócios, tenho muita vontade de visitar outros países.
  • Uma noção do inglês pra poder se virar.
  • Não me sinto confiante no Inglês.
  • Falar e compreender falar inglês sem passar vergonha!
  • Espero conseguir aprender para ter meu sonho realizado de estudar nos Estados Unidos.

Começar do 0 – Do basicones do inglês

  • Gostaria de pelo menos entender alguma coisa na conversação. Tudo que vc tiver para nós ensinar. Desde o básico ao avançado. Por causa da pandemia não tivemos aulas o ano passado, não aprendi nem o básico.
  • De preferência o básico, para formular diálogos e escrita, tudo com sotacon da roça.
  • O que vc ensinar vai ser bem vindo. E desde já agradeço pela iniciativa.
  • Gostaria estudar desde o início sou realmente analfabeta em inglês.
  • Ficar fluente rsrsNão digo falar fluente, mas quero entender. Realmente aprender.. e não só pagar mensalidade.. métodos mais atrativos.
  • Pelo menos o básico gostaria se aprender, a escrita e a fala.macetes básicos de inglês.
  • Espero aprender o suficiente para poder ajudar minha filha de 8 anosMelhorar/aperfeiçoar meu inglês.
  • Um base sólida para comunicação básica.
  • Um método prático e certo que possibilite aprender o básico da língua inglesa, bem como traga uma visão de prospecção para avançar nos níveis superiores adiante.
  • Não quero ser fluente, mas quero aprender o máximo que conseguir. Espero sair do básico que eu sei do inglês e espero que isso me ajude de alguma forma na minha carreira profissional, adorei a ideia espero que todos possam ter a oportunidade de fazer parte e aprender.
  • Finalmente aprender inglês.

Se comunicar em inglês

  • Desenvolver a conversação, uso de alguns conectivos e de outros elementos gramaticais, mais vocabulário, etc.
  • Hoje me viro com o inglês. Meu nível é bem básico mas consigo compreender um pouco quando preciso no trabalho.
  • Gostaria de aprender a pronunciar, ler e traduzir frases ou palavras em inglês.
  • Espero aprender a me comunicar sem aquela dificuldade gramatical esse processo de focar somente na gramática verbos é muito estressante principalmente pros mais velhos.
  • Espero poder aprender a conversar melhor em inglês, ou pelo menos, saber o “básico” pra poder se virar quando estiver em outro país, seja por motivo de viagem, curso, etc.
  • Muito vocabulário e inglês direto ao ponto.

Método do curso de inglês

O projeto inglês tchô visa e disseminar o conhecimento sobre estratégias de estudo de idiomas impactando na autoestima e desempenho dos alunos.

O método que vamos usar é o método tchozino avançado. O que isso quer dizer? O método tchô é basicamente se virar com o que se tem e se esforçar bastante até evoluir para o próximo nível! Sem ficar bardosiando e esperando pelos outros para que algo aconteça.

As aulas vão focar em conhecimentos que sirvam como um canivete Suíço de comunicação, no curso vamos vamos chamar de “Canivete Tchozino”. O canivete tchozino foca nos 20% das área de conhecimento que darão 80% do resultado das comunicações.

Caso os alunos queiram se aprofundar e ter um facão (pra dar faconadas mais fortes e se pinxar nuns matos mais faltos (se focar em alguns temas) sugiro contactar professores e aulas tradicionais para um reforço. Trataremos de garantir dicas para dominar o basicão e os principais padrões da língua.

O método considera que qualquer um pode aprender a única coisa que “vareia” é o tempo que vai levar. Para uns será mais rápido e pra outros mais lento, porém nunca pensamos que é impossível.

O lema do curso

Não tá morto quem peleia tchô!

Cronograma e canais de comunicação

As principais atividades estão sendo postadas no Instagram “Inglês Tchô”– Para falar com a gente pode escrever no instagram mesmo, beleza?

Primeira aula ao vivo 11 de Abril de 2021. A princípio será um curso de 8 semanas, todos os domingos as 10 horas da manhã no canal do youtube – Inscreva-se e clique no sino de notificações. https://www.youtube.com/channel/UCmAwwfiVsHIcoT8mxdvVl6g – Qualquer alteração será avisado no instagram, fiquem de butuca!

Como posso ajudar?

Você acredita que tem algo que possa colaborar com esse projeto?

  • Compartilhar os materiais para que chegue a mais estudantes
  • Participar das aulas dando dicas de melhorias.
  • Ajudar na compra de materiais para alunos sem condições
  • Participar de entrevistas online contando sua experiências de vida e profissionais fora do Brasil.
  • Organizações que podem apoiar o projeto de alguma forma terão os nomes divulgados nos materiais.

Parceiros e Apoiadores

Organizações que estão ajudando são:

Lá no Frai 9 anos

Era pra ser mais um livro sobre Fraiburgo, mas o blog era a nova geração de mídia. Como se o livro fosse sendo escrito aberto e compartilhado e não entregue e fechado.

Hoje o Lá No Frai faz 9 anos desde a primeira publicação. Estimamos que tenham sido já mais de 10 milhões de visualizações de uma gentarada de vários cantos do mundo. Hoje o tempo para projeto está quase zerado e até fomos haqueados, mas não tá morto quem peleia tchozinhos(as)!

Agradecimento a todos os apoiados voluntários da nossa terrinha dos pinhões, do frio caipora, das maçãs, dos dinos, dos hotéis nas colinas, do açude lago, do castelinho, das cachoeiras, dos chorões, dos sotaques e expressões que só nós temos e vamos preservar de certeza!

Abraço piazada!

Nossa história contada pela gente!

Então tchozinhos(as), se a gente não sober contar nossa história há duas coisas que podem estar acontecendo:

01 – Não há história e conteúdo pra contar ( o que é meio DIFICER)

02 – Não conhecemos ou valorizamos adequadamente os fatos da nossa realidade.

Capturamos esse vídeo rodando na internet meio que de “revesgueio” e agora republicamos parabenizando os alunos que investiram no estudo e nas edições do material.

Temos que contar nossa própria história, pois somos nós que a fabricamos todos os dias, é a nossa vida, o nosso jeito, é o nosso lar, é o nosso Frai! Ainda vamos contar nossa história em inglês para que outros países nos conheçam 🙂 – Lanofrai

SINOPSE

Bons lugares formam bons empreendedores ou bons empreendedores formam bons lugares. Esse vídeo retrata a história e o pioneirismo dos visionários irmãos Frey, que chegaram no Sul do Brasil, quando estavam fugindo da Primeira Guerra, e se instalaram em um local sem perspectiva de sucesso, mas com muito trabalho e objetivos desenvolveram um importante centro econômico que passou a se chamar Fraiburgo (em alemão terra protegida e livre). Após anos de muito trabalho e investimentos a família estabelece diversos empreendimentos. Dentre os mais notórios foram: As Serrarias, fábricas de móveis e caixas, hotelaria e principalmente a técnica do cultivo da maçã. ARGUMENTO Enaltecer e conservar a história de um lugar é extremamente necessário para se manter viva a cultura de seu povo. Com isso é importantíssimo traçar uma cronologia da trajetória do munícipio de Fraiburgo, o qual destaca-se a vinda da família Fray.

ROTEIRO

1 ª CENA: Luiz entra apresentando a sinopse resumida enquanto vem se aproximando da câmera. Local: Casa da Cultura.

2 CENA: Pedro inicia a cronologia até 1941

3ª CENA: Alex completa a cronologia a partir de 1951

4ª CENA: Drones

5ª CENA; Hotel Renar

6 ª CENA: Entrevistar Ana Maria Camilo na Casa da Cultura.

7ª CENA: Entrevistar Elvito Cordebella em sua residência.

Alunos: Pedro Henrique Luiz Henrique Alex Antunes EEB Gonçalves Dias Fraiburgo – SC

Homenagem

Tchozinhos(as),

Ficamos surpresos e felizes de ver esta homenagem da escola “CEI ZENAIDE DA COSTA”, que usaram um verso da música “Lá no Frai” do professor Renato Goeten e hino aqui do blog 🙂 para o desfile de 07 de setembro.

Desfile 7 de setembro 2019 – Foto recebida por whatsapp.

Pra quem não conhece a música que tem esta frase, segue o link: 

Click Lá no Frai!

Um abraço tchozedinhus!

Dialeto Veneto no Frai

Nesta semana tive a oportunidade de conhecer a famosa professora Adis Cardoso, uma descendente de italianos da região do Veneto na Itália e que por décadas educou os Fraiburguenses. Um pouco da história dela e sua mensagem para as próximas gerações estão abaixo no vídeo!

Um abraço tchozinhos(as)!

Fraiburgo – Agosto de 2019 – por Joni Hoppen