Mapa dialetal de Santa Catarina

Falando com as pessoas sobre a cultura de Santa Catarina, é muito comum ouvir algo dos manezinhos do litoral e da cultura gaúcha do resto do estado, a qual eu discordo prontamente porque apesar do chimarrão o meio oeste de Santa Catarina está voltado muito mais para o Paraná do que para o Rio Grande. Isso pode ser melhor demostrado com o mapa qualitativo dos sotaques Catarinenses. A propósito, gostaria de agradecer as pessoas que contribuíram direta ou indiretamente para chegarmos neste mapa.

Click to enlarge / Clique para aumentar

 Ao invés de dividirmos o estado em dois, devemos olhar para ele como o estado Brasileiro que apesar de pequeno é o mais culturalmente diverso. Como resultado temos uma economia diversificada a ponto de ser o único estado que poderia existir autonomamente em relação aos recursos naturais e humanos.

Eu tentei desenhar esse mapa porque antes de me mudar para Florianópolis para dar continuidade aos meus estudos, eu não esperava sofrer choques de realidade tão grandes. É impressionante como as coisas podem mudar quando pulamos de uma área dialetal para outra. Na capital tive que aprender na marrar não apenas o conteúdo das disciplinas da universidade, mas também uma outra língua e ainda me adaptar com uma mentalidade diferente em relação a vida, trabalho, descanso, investimentos e etc.

A área vermelha é onde os tchôs e as tchoas estão no comando. Logicamente Fraiburgo está no epicentro do dialeto Fraiburguês. Vale notar que, em algumas partes, ele deixa de ser puro ao mesclar-se com o dialeto serrano de Lages e gringonês do oeste. Ainda, este sotaque está vinculado ao estado do Paraná até chegar em Curitiba como um R bem forrrrrte e a letra “E” de “gentE” sendo pronunciado como “E” e não como “I”.  Sim, algumas palavras são emprestadas dos gauchês, mas mesmo assim não se utiliza por exemplo a palavra “Guri”. O correto é usar “piá ” ou “tchozinho” e assim vai…

No extremo oeste (verde), existe uma tremenda influência da colonização Italiana que chegou ao Brasil falando uma série de dialetos italianos que nem eles podiam se entender antes de usar o português. Nesse pedaço de chão a gringaiada aprendeu o português dando vida ao “gringonês” que funciona muito bem. Na outra área verde, no sul do estado, a colonização é também predominantemente italiana, mas dizem que não utilizam o gringonês puro de Chapecó. Por alguma razão desconhecida meus amigos de Criciúma, Tubarão se negam a falar comigo usando seu sotaque nativo de lá. Resultado, enquanto eu não visitar o lugar e ouvir o sotaque deles pessoalmente este dialeto é indeterminado.  

Pulando agora para a galera da área azul. Essa região é onde a cultura alemã com seu jeitão compassado deu origem a um português teutônico muito interessante, principalmente nas cidades de Timbó, Pomerode e Benedito Novo.  Se tiverem a oportunidade de falar com alguém de lá, peça para eles falarem a seguinte frase. “Cara, comprei um jeep cara.  É um  LandRover novinho que eu uso só pra tacar nos areião” (Contribuição do Gedson Jung).

  •  Soa cantado
  • É muito rápido
  • Frases curtas são repetidas
  • É engraçadíssimo
  • A conversação acontece um tom acima do tom normal.
  • O tom desafina para cima no final das frases longas.
  • As vogais tem um som diferente, meio fanho. Este som junto com o aumento do tom da fala da um efeito de “vogal tunada” especialmente em Florianópolis.
  • A letra “R” segue o padrão francês.
  • O verbos no tempo passado são – Cortasse – Trabalhasse – falasse , e etc.
  • Infelizmente, está entrando em extinção devido as massas migratórias e motivos econômicos.

Bom pessoal, não deixem de comentar sobre suas experiências com relação a esse mapa para que a próxima versão seja mais precisa, eu vou continuar prestando atenção nas próximas mudanças pois é um tema no qual sou fascinado.

11 ideias sobre “Mapa dialetal de Santa Catarina

  1. André Luiz Thieme (@andrelt)

    Gostei bastante!

    É impressão minha ou onde deveria estar escrito Rio Grande do Sul está escrito “Brasil”? Bom, é bem coisa de gaúcho fazer isso.. hhehe

    Aqui no litoral, tem uma pequena variação do “peixeirês” para o “manazês” mas acho que mais por expressões utilizadas..

    hehe

    Responder
  2. Emerson

    Apenas como registro… O povo aqui norte de SC…. Os sãobentenses ou sãobentansos como voces queiram hehehehe… ja esta sendo influenciado pelo Fraiburgues….

    Responder
  3. Kássio Capilé

    Muito bom esse blog!!! Eu que vim de São Paulo para morar em Fraiburgo me deparei com várias palavras desconhecidas pelo meu modesto vocabulário, porém passados 6 anos, hoje me pego falando naturalmente aquelas palavras que outrora eram esquisitas…

    Responder
  4. Pedro

    Estive no extremo-oeste de Santa Catarina e lá tem muita influência alemã, inclusive, segundo eles, a oktoberfest mais antiga do país é lá, em Itapiranga, apesar da mais famosa ser em Blumenau. O sotaque lá parece-se muito com o gaúcho.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *